caso amy

OAB-PE confirma que ainda não conseguiu advogado para ajudar pernambucana nos EUA

Publicado em 19/03/2014 , às 19 h34

Mariana DantasDo NE10

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil - seccional Pernambuco (OAB-PE), Pedro Henrique Reynaldo Alves, confirmou nesta quinta-feira (19) que ainda não recebeu retorno da Bar Association da Flórida (espécie de associação norte-americana de advogados) sobre o pedido de ajuda para a pernambucana Karla Janine, de 43 anos, que precisa de um advogado para defendê-la.

LEIA MAIS:
» Pernambucana perde guarda da filha
» Pernambucana presa no Texas é liberada
» Ministro das Relações Exteriores recebe mãe de pernambucana
» Julgamento segue nesta quinta
» Futuro de filha de pernambucana pode ser decidido nesta quarta
» Petição online pressiona justiça dos EUA
» Itamaraty concede registro de dupla cidadania para criança
» OAB-PE promete ajudar pernambucana
» Pernambucana permanece presa; nova audiência nesta quarta
» Pernambucana pode pedir dupla cidadania da filha
» Itamaraty não tem permissão para fazer contato com filha
» Pernambucana foge com filha e acaba presa nos EUA

Karla, que ficou presa por 23 dias (de 16 de janeiro a 7 de fevereiro), responde a processo criminal por descumprir decisão judicial e fugir com a filha Amy, 6, da Flórida para o Texas. A pernambucana acusa o pai da criança, o norte-americano Patrick Joseph Galvin, de ter abusado sexualmente da filha quando ela tinha apenas três anos de idade. A fuga ocorreu depois que a acusação foi arquivada pela Justiça da Flórida, mesmo, segundo Karla, com a apresentação de laudos e parecer de um psicólogo confirmando o abuso. Patrick também é fichado na Polícia da Flórida como “sex offender”. O termo define alguém que comete ou estimula atos sexuais com ou na presença de menores de 16 anos.

Nessa quarta-feira (19), Karla concedeu entrevista exclusiva ao Portal NE10. Ela afirmou que a Justiça da Flórida concedeu a guarda total ao pai e, a qualquer momento, Amy, que está sob custódia da Justiça do Texas, poderá ser levada para a Flórida. Na entrevista, ela também disse que não recebeu retorno da OAB, que tinha prometido ajudá-la a conseguir um profissional com atuação pro bono (gratuita) e que a promessa não concretizada teria prejudicando a campanha realizada nas redes sociais para arrecadar recursos para as custas processuais..

O presidente da OAB-PE afirmou que a entidade continua buscando um profissional para ajudar Karla. “Ainda estamos tentando ajudar Karla, mas não é fácil conseguir um profissional gratuito. O membro da Comissão Nacional de Relações Exteriores da OAB, o advogado Luiz Otávio Vieira, entrou em contato com Bar Association, mas não recebeu retorno. Ontem (terça-feira), falei como presidente da OAB Nacional, Marcus Vinicius Furtado Coelho, para que também entre em contato com a entidade americana, reforçando o pedido. É uma situação urgente, mas acredito que teremos uma resposta em breve”, disse Pedro Henrique.

DOAÇÕES PARA KARLA - Contribuições podem ser feitas no site http://igg.me/p/653510, ou por meio de depósito na conta da mãe de Karla, Kátia Sarmento Martins de Albuquerque (Banco Bradesco, agência 3201-8 / CC 0174551-4). Uma petição online para recolher assinaturas e pressionar a justiça americana também foi criada e hoje conta com cerca de 14 mil nomes.

PALAVRAS-CHAVE:

COMENTE ESTA MATÉRIA

Nome:
E-mail
Mensagem

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu. O NE10 reserva-se o direito de não publicar mensagens com palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa.


Vitrine NE10
Fechar vídeo