AO VIVO
Acompanhe Globo x Santa Cruz pela Série C do Brasileiro

Julgamento

Em depoimento, psiquiatra forense diz que acusados de canibalismo não têm distúrbios

Publicado em 13/11/2014, às 11h12 | Atualizado em 13/11/2014, às 12h40

Do NE10

"Não havia nenhum distúrbio neurológico que criasse incapacidade", destacou o médico / Foto: Luiz Pessoa/NE10

"Não havia nenhum distúrbio neurológico que criasse incapacidade", destacou o médico Foto: Luiz Pessoa/NE10

O psiquiatra forense Lamartine Hollanda, primeira testemunha a depor nesta quinta-feira (13), no júri popular dos três acusados de canibalismo no Fórum de Olinda, na Grande Recife, afirmou que os réus têm plena consciência do crime e defendeu que foi premeditado o assassinato pelo qual foram denunciados, que vitimou a moradora Jéssica Camila Pereira da Silva, em 2008.

"Não havia nenhum distúrbio neurológico que criasse incapacidade", destacou o médico de 78 anos. Se o laudo de insanidade mental tivesse apontado que os três não tinham consciência de que estavam cometendo o crime, os acusados seriam considerados inimputáveis, ou seja, não poderiam ir a julgamento.

#JÚRIDOSCANIBAIS
» Entenda o caso
» Acompanhe o julgamento em tempo real

A pedido da promotora Eliane Gaia, o médico fez um resumo das características de cada um dos réus. O perito descreveu Jorge Beltrão, 52 anos, como "ator", que finge ter doença mental. Questionado pela defensora pública Tereza Joacy, representante do réu, sobre os laudos do INSS e do Caps de Garanhuns, no Agreste do Estado, que o atestaram esquizofrênico, Lamartine o acusou de enganar os médicos. "É fácil enganar o sistema", ressaltou.

Em relação a Isabel Cristina, 53 anos, Lamartine disse ser uma pessoa ansiosa por estar presa e ser acusada pelo crime, além de apresentar traços de imaturidade. Referindo-se a Bruna, afirmou: "Essa senhora tem mais o traço da imaturidade e da atriz que tenta mostrar-se perturbada".

"Curiosamente, em um processo que correu há 16 anos em Olinda, não foi alegada nem por parte dele nem dos advogados essa insanidade", afirmou, em relação a um assassinato do qual Jorge foi absolvido, também em Olinda. Em 1994, ele foi acusado de matar, com um tiro nas costas, um adolescente de 17 anos, homicídio pelo qual foi inocentado há quatro anos - quando a morte de Jéssica já havia acontecido, porém não havia sido descoberta pela polícia.

Segundo Lamartine Hollanda, "a probabilidade de repetição de tal conduta é alta."

Após as respostas do médico à promotora, a defesa dos acusados tentou frisar uma contradição nas afirmações do psiquiatra. Enquanto afirmou ao Ministério Público que a esquizofrenia é apenas um rótulo para portadores de sintomas como delírios e paranoias, respondeu positivamente à pergunta dos advogados de que o distúrbio está no Código Internacional de Doenças (CID). Segundo a defesa, a resposta mostra que, como outros peritos, Lamartine não usou o código para elaborar o laudo.

Por último, a juíza Maria Segunda questionou se os réus admitiram os crimes durante as entrevistas. A resposta foi positiva. Questionado se as acusadas dependiam de Jorge, afirmou: "Em toda relação de mulher com homem há relação de dependência". Em seguida, disse que cada um tinha autonomia no momento do crime.

PALAVRAS-CHAVE: notícias júri dos canibais

COMENTE ESTA MATÉRIA

Nome:
E-mail
Mensagem

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu. O NE10 reserva-se o direito de não publicar mensagens com palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa.


Vitrine NE10
Fechar vídeo