Fenômeno

14 de novembro: igual à superlua deste dia só em 2052

Publicado em 28/10/2016 , às 11 h22

NE10

Última superlua aconteceu 14 de novembro / Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem

Última superlua aconteceu 14 de novembro Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem

No último dia 16 de outubro a superlua iluminou o céu de todo o planeta. O fenômeno se repetirá ainda duas vezes em 2016, mas a próxima será ainda mais especial. No dia 14 de novembro, acontecerá a maior superlua em cem anos. A última vez que a lua esteve tão intensa foi em 1948, e mais: só deve se repetir em 2052.

É claro que o fenômeno não é causado por um aumento real do satélite natural da Terra, mas sim um aumento aparente. O que acontece é que a órbita da Terra não é circular e sim elíptica, ou seja, oval. Portanto, neste período do ano o sol está mais perto do nosso planeta, no chamado perigeu. 

Junto a isso, a lua também se movimenta em torno da Terra. "O plano de inclinação que ela estará a deixará ainda mais próxima para quem observa o céu daqui, dando a impressão de que está maior", explica o doutor em astrofísica Antônio Carlos Miranda. Neste, 14 de novembro, a sensaçao será de que o satélite estará com o tamanho aparente 14% maior e a luminosidade 30% mais alta.

A dica que o doutor dá para quem quiser aproveitar para observar é ir para lugares com pouca poluição luminosa. Além disso, é bom torcer para que São Pedro não coloque muitas nuvens no céu. E deixar bastante memória no celular ou na máquina fotográfica!

Quem não conseguir aproveitar a superlua agora, terá apenas mais uma chance neste ano. Embora de menor intensidade, o fenômeno deverá se repetir no próximo dia 14 de dezembro. 

 

Você vai acompanhar a super lua?

Se você pretende contemplar a super lua neste domingo, contribua com a galeria de imagens do Portal NE10. Para participar, basta fazer uma foto ou vídeo do satélite natural da Terra e postar no seu perfil do Instagram, usando a hashtag #superlua. Não esqueça de marcar o perfil do NE10 @portalne10. Relembre como foi o fenômeno em outubro:

População deve ficar atenta ao risco de alagamentos

Toda vez que a maré alcance níveis altos na capital pernambucana, aumenta a chance de alagamentos na cidade. Segundo o professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e especialista em hidráulica e recursos hídricos Jaime Cabral, esse problema acontece porque o Recife é uma cidade plana, e os locais mais baixos tendem a sofrer com a maré muito alta. "A água demora mais a escoar nesses locais nas galerias. Há casos também de tubulações e encanamentos entupidos dificultam o escoamento da água", afirma. 

PALAVRAS-CHAVE: notícias ciência & vida

Continue Lendo

COMENTE ESTA MATÉRIA

Nome:
E-mail
Mensagem

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu. O NE10 reserva-se o direito de não publicar mensagens com palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa.


Vitrine NE10
Fechar vídeo