AO VIVO
Acompanhe agora Bahia x Sport pela final do Nordestão

Investigação

PF diz que Rodrigo Maia pegou R$ 1 milhão em propina da OAS

Publicado em 08/02/2017 , às 21 h17

Estadão Conteúdo

A investigação da PF teve origem em mensagens de celular entre Rodrigo Maia e o empreiteiro Léo Pinheiro / Foto: Agência Brasil

A investigação da PF teve origem em mensagens de celular entre Rodrigo Maia e o empreiteiro Léo Pinheiro Foto: Agência Brasil

  A Polícia Federal concluiu investigação sobre o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) na Operação Lava Jato e apontou indícios de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro A informação foi revelada pelo Jornal Nacional, da TV Globo, e confirmada pelo jornal o Estado de S. Paulo.

A investigação da PF teve origem em mensagens de celular entre Maia e o empreiteiro Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS.

Segundo o inquérito da PF, em troca de propina de R$ 1 milhão, o parlamentar teria defendido interesses da empreiteira no Congresso, entre 2013 e 2014, como apresentar uma emenda à uma Medida Provisória que definia regras para a aviação regional, em benefício da construtora.

O Jornal Nacional informou que Rodrigo Maia pediu à empreiteira doações eleitorais no valor de R$ 1 milhão em 2014. O dinheiro teria sido repassado oficialmente à campanha de César Maia, pai do presidente da Câmara.

Estratégia foi usada para ocultar propina



Os investigadores suspeitam que a estratégia foi usada para ocultar a origem da propina da empreiteira. A PF sustenta que há 'fortes indícios de corrupção passiva e lavagem de dinheiro' por parte de Maia.

À reportagem do Jornal Nacional, Maia afirmou que 'nunca recebeu vantagem indevida para votar qualquer matéria na Câmara'. Segundo ele, 'ao longo dos cinco mandatos como deputado federal, sempre votou de acordo com orientação da bancada ou com a própria consciência'.

Continue Lendo

COMENTE ESTA MATÉRIA

Nome:
E-mail
Mensagem

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu. O NE10 reserva-se o direito de não publicar mensagens com palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa.

  • De: Guimarães- 09/02/2017 11:11 Mais um que vai ter "foro privilegiado" e nunca será julgado pelo STF, que nunca julgou qualquer político.
  • De: Paulo- 09/02/2017 07:54 Tanto faz; ou com a consciência de Rato do próprio, ou da Bancada, é roubar o máximo que puder.

SERVIÇOSNE10


Vitrine NE10
Vitrine NE10
Fechar vídeo