acusação

Promotora rebate tese de insanidade dos canibais e tenta provar mesma participação do trio no crime

Publicado em 14/11/2014, às 13h19 | Atualizado em 14/11/2014, às 14h23

Malu Silveira Do NE10

Algumas provas dos autos dos processos, como mídia de depoimentos prestados à Polícia Civil, foram apresentadas pela promotora / Foto: Luiz Pessoa/NE10

Algumas provas dos autos dos processos, como mídia de depoimentos prestados à Polícia Civil, foram apresentadas pela promotora Foto: Luiz Pessoa/NE10

"Você não vai manipular a Justiça. Você será condenado!", disse, com dureza ao réu Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, 52 anos, a promotora  Eliane Gaia ao abrir sua fala no segundo dia do júri popular dos acusados de matar, esquartejar e comer a carne da moradora de rua Jéssica Camila da Silva Pereira em 2008. Além dele, respondem pelo mesmo crime Isabel Cristina Torreão Pires, 53, e Bruna Cristina de Oliveira, 28. 

Bastante afiada em seu discurso e se dirigindo frequentemente aos sete jurados que compõem o Conselho de Sentença, a promotora do Ministério Público de Pernambuco - primeira na fase de debates neste segundo dia do julgamento - discorreu por mais de duas horas sobre os crimes cometidos pelo trio que ficou conhecido em 2012 - época em que o asssassinato da jovem Jéssica, à epoca com apenas 17 anos, foi descoberto - como "Os canibais de Garanhuns". Mais dois crimes foram cometidos no município do interior de Pernambuco. "Nunca antes tínhamos visto um caso desse de canibalismo. Com requinte de perversidade e maldade. Para isso, eles tiveram piedade da vítima? Não!", defendeu Eliane Gaia. 

#JÚRIDOSCANIBAIS
» Entenda o caso
» Acompanhe o julgamento em tempo real

No canto direito do salão do júri, no Fórum de Olinda, o trio assistia ao discurso da promotora. "Bruna, você está linda hoje. Toda sensual. Bruna adora rir. Ela é a estrela do momento! Uma canibal feliz", se referiu, sarcasticamente, à mais jovem dos acusados. Sobre Jorge, foi bastante dura. "E Jorge, jurados. Este homem que é quase uma parede. Olhem para ele, o olhar dele não muda", afirmou por diversas vezes. Com Isabel Cristina, a mais velha e apontada como mais frágil, foi irônica. "E Dona Isabel? A doce Dona Isabel, que gosta de  comer fígado", descreveu aos jurados e plateia. 

Jorge, Isabel e Bruna tiveram suas condutas amplamente estudadas pela promotoria

Jorge, Isabel e Bruna tiveram suas condutas amplamente estudadas pela promotoria Foto: Luiz Pessoa/NE10

Durante o debate, a promotora chegou a reclamar com a juíza Maria Segunda de tentativas do trio de atrapalhar o seu discurso. Bruna, inclusive, chamou a atenção da magistrada, pedindo a vez para falar. Eliane Gaia se irritou e parou o discurso até que o mal-estar fosse resolvido. "Por favor, desconte aí no meu tempo, Vossa Excelência", disparou.

As provas estão aí e elas são fartas. Os senhores são soberanos para julgar os fatos. Utilizem essa soberania para fazer justiça Eliana Gaia, promotora

Os laudos dos exames de sanidade mental dos três acusados elaborados pelo psiquiatra forense Lamartine Hollanda, que atestavam que nenhum dos três têm doenças ou distúrbios mentais que possam comprometer o entendimento deles sobre o crime, foi uma das estratégias usadas pela promotora para tentar convencer os jurados. "Dona Isabel, por exemplo, sabia o que estava fazendo. Todos sabiam, eles se associavam para fazer, em uma pluralidade de ações", sustentou. 

Jorge, Isabel e Bruna tiveram suas condutas amplamente estudadas pela promotoria durante o tempo reservado à acusação. Bruna, por sua postura fria, foi o principal alvo de alfinetadas. "Bruna é tão inteligente que quando perguntamos sobre o processo de Garanhuns, ela prontamente disse: 'Eu respondo lá!', e por quê? Porque o de Garanhuns ela ainda não estudou o processo. Este, jurados, ela leu todo", explicou. 

Já nas considerações finais, a promotora explicou a diferença entre imputáveis - que podem responder pelo crime que cometem - e inimputáveis - portadores de doença mental que, no momento do crime, não têm consciência para responder judicialmente sobre o delito. "O louco premedita o crime?! Não! Ele faz a vítima, ele não articula o crime", explicou a promotora. 

Algumas provas presentes nos autos dos processos, como mídia de depoimentos prestados à Polícia Civil de Pernambuco na época das investigações e cópias dos desenhos feitos por Jorge Beltrão, foram apresentadas pela promotora. "Eu aprendi uma verdade no júri. Ela é subjetiva, mas sempre segue um caminho. Mas a verdade do criminoso é que ele sempre está certo. Cada um tem a sua verdade. Eles acreditavam que estavam certos, mas eles não sou loucos. São pessoas normais", afirmou ao corpo do júri. 

A promotora usou seus últimos minutos para se dirigir diretamente aos jurados. "As provas estão aí e elas são fartas. Os senhores são soberanos para julgar os fatos. Utilizem essa soberania para fazer justiça", terminou Eliane Gaia. 

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24

PALAVRAS-CHAVE: notícias júri dos canibais

COMENTE ESTA MATÉRIA

Nome:
E-mail
Mensagem

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu. O NE10 reserva-se o direito de não publicar mensagens com palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa.


Vitrine NE10
Vitrine NE10
Fechar vídeo