#júridoscanibais

As estratégias da defesa de Jorge Beltrão e Isabel Cristina

Publicado em 14/11/2014, às 11h17 | Atualizado em 14/11/2014, às 11h42

Do NE10

Doença mental dos acusados não foi confirmada por laudo psiquiátrico forense  / Foto: Luiz Pessoa/NE10

Doença mental dos acusados não foi confirmada por laudo psiquiátrico forense Foto: Luiz Pessoa/NE10

De um lado, alegar semi-imputabilidade. Do outro, pedir absolvição argumentando dependência emocional. Essas são as teses usadas desde o início pelas defesas de Jorge Beltrão, 52 anos, e Isabel Cristina, 53, acusados de cabinalismo que estão sendo julgados nesta sexta-feira (14). A estratégia será mantida nesta fase do júri, em que o Ministério Público e os advogados se "enfrentam", cada um duas horas e meia para falar, mais quatro horas destinadas a réplica e tréplica.

A defensora pública Tereza Joacy, representante de Jorge, argumenta que ele passava por tratamento no Centro de Atendimento Psicossocial (Caps) das Flores, em Garanhuns, no Agreste, cidade onde os réus respondem por mais duas mortes. Dessa forma, teria distúrbios mentais e não teria tanta consciência da gravidade do crime, portanto, não poderia ser condenado.


A doença mental não ficou comprovada no laudo elaborado pelo psiquiatra forense Lamartine Hollanda, primeira testemunha dessa quinta-feira (13). O exame de sanidade mental foi questionado pela defensora.

Já a tese do advogado de Isabel, Paulo Sales, é de que a acusada teria cometido os crimes por depender emocional e financeira de Jorge.

PALAVRAS-CHAVE: notícias júri dos canibais

COMENTE ESTA MATÉRIA

Nome:
E-mail
Mensagem

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu. O NE10 reserva-se o direito de não publicar mensagens com palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa.

  • De: alberico cordeiro- 14/11/2014 13:54 Oena de morte para estes doentes mentais. Isto não tem cura e eles devem ser mortos.

Vitrine NE10
Vitrine NE10
Fechar vídeo