depoimento

Isabel Cristina nega participação no assassinato e diz que filha da vítima comeu carne da mãe

Publicado em 13/11/2014, às 18h34 | Atualizado em 13/11/2014, às 20h41

Malu Silveira Do NE10

Isabel relatou que uma grelha era usada para preparar a carne da vítima  / Foto: Luiz Pessoa/NE10

Isabel relatou que uma grelha era usada para preparar a carne da vítima Foto: Luiz Pessoa/NE10

Bastante abalada e visivelmente nervosa, a ré Isabel Cristina Torreão Pires, 53 anos, segunda acusada a prestar depoimento no julgamento dos canibais na tarde desta quinta-feira (13), negou diante do júri que tenha participado do assassinato de Jéssica Camila da Silva Pereira, 17, confessando apenas ter ajudado na ocultação do cadáver. Segundo a acusada, o motivo de participar dos crimes era uma "profunda dependência emocional por Jorge". Isabel, Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, 52, e Bruna Cristina Oliveira da Silva, 28, são acusados de matar, esquartejar e comer a carne da vítima. O crime aconteceu entre maio e junho de 2008. 

"Não participei da morte de Jéssica, apenas ajudei a ocultar o cadáver. Quem esquartejou foi Jorge", relatou à juíza Maria Segunda. Segundo a acusada, a ideia inicial do trio era apenas ficar com a filha da vítima. "Não chamei para nenhum trabalho não. Chamei apenas para ela morar com a gente e para cuidar da criança na nossa casa. Jéssica queria um lar para morar, então eu tive a ideia de levá-la para casa", afirmou a ré, contrariando os depoimentos dados à Polícia Civil na época da descoberta do crime, nos quais o trio afirmou que a jovem havia sido contratada como doméstica. 

#JÚRIDOSCANIBAIS
» Entenda o caso
» Acompanhe o julgamento em tempo real

Questionada pela promotora Eliane Gaia se chegou a preparar coxinhas e empadas com carne humana para vender, Isabel negou, diferentemente do que disse à polícia na época das investigações. Isabel justificou que inventou essa mentira para ser transferida para o Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico (HCTP).

Por diversos momentos durante as perguntas feitas pela juíza Maria Segunda, promotora do MPPE (Ministério Público de Pernambuco) Eliane Gaia e pelos advogados de defesa, Isabel afirmou ser dependente emocional de Jorge Beltrão. "Eu tinha muita amizade com ele. Mas também tinha muita independência emocional. Por isso que fazia essas coisas", alegou. A juíza voltou a insistir na questão em vários momentos do interrogatório. "A senhora não teve chance de contar às autoridades?", perguntou Eliane Gaia. "Sim, mas eu nunca conseguia. Eu era muito dependente dele emocionalmente", afirmava a ré, que por diversos momentos parava de falar por nervosismo.

No questionamento feito por Eliane Gaia, divergências nos depoimentos começaram a surgir. Sempre muito incisiva, a promotora afirmou à mais velha do trio que Jorge havia dito em julgamento que quem entregou a faca - objeto usado no assassinato de Jéssica - havia sido Isabel. "Jorge disse que foi a senhora que entregou a faca para ele. Se não foi a senhora, então ele está mentindo? Então ele não te ama, dona Isabel", alegou. Confusa, a ré demorou alguns instantes para responder e terminou por dizer: "Ou então ele não se lembra."

Isabel Cristina também confessou à promotora que a criança havia, sim, comido da carne da própria mãe. Questionada, divagou e disse: "Porque ela já estava lá (na casa) e fazia parte da família". A promotora perguntou ainda como a carne era preparada. "A gente usava uma grelha", afirmou.   

Outra questão levantada foi um suposto abuso sexual sofrido pela menor, acusação prontamente negada pela acusada. "Levamos ela para a médica, que disse que havia uma ruptura. Houve abuso sexual, mas não foi da gente. Ela já tinha passado pela mão de muita gente", alegou. Na época do crime, a menina tinha apenas 1 ano.  

Em todo momento, vítima alegou dependência emocional de Jorge

Em todo momento, vítima alegou dependência emocional de Jorge Foto: Luiz Pessoa/NE10

Entre outros itens debatidos pela promotora, um dos principais foi a suposta insanidade mental de Jorge Beltrão, apontado por diversas vezes como líder do trio. Isabel Cristina, com quem o acusado foi casado por quase 30 anos, relatou em todo o seu interrogatório que o companheiro tinha problemas mentais. "Desde que conheço Jorge que ele tem problemas mentais. Ele sempre teve isso de nervoso, de agitação", afirmou. Eliane Gaia, no entanto, rebateu a acusada: "Ele não é louco, dona Isabel. Nem ele, nem a senhora, nem Bruna. Insanidade não é como sarampo, uma doença que contagia todo mundo".

DEFESA - O advogado Paulo Sales, advogado de defesa da interrogada, usou do seu tempo de perguntas para confirmar com Isabel Cristina que quem idealizou a seita denominada O Cartel foi Jorge Beltrão. A defensora pública Tereza Joacy, designada para defender Jorge, usou a estratégia de fazer perguntas sobre as constantes idas de Jorge ao Caps (Centro de Atenção Psicossocial), os diversos tratamentos com psiquiatras e o estado emocional conturbado que o acusado assumia quando ficava sem tomar a medicação prescrita. 

Já a defesa de Bruna fez diversas perguntas sobre o relacionamento de Jorge Beltrão e Bruna Cristina. A pressão emocional também foi um ponto tocado pelos advogados. "Dona Isabel, Jorge exercia algum poder emocional sobre vocês?". Ao afirmar que Jorge exercia, sim, pressão sobre as duas, a defesa continuou: "Então ele acabava convencendo vocês a fazer o que ele queria?". A acusada voltou a dizer que sim.

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20

Julgamento dos "canibais" em Olinda

Promotora Eliane Gaia participa do julgamento
Crédito: Luiz Pessoa/ NE10

Julgamento dos "canibais" em Olinda

Tereza Joacy (de cabelo curto), defensora pública de Jorge Beltrão
Crédito: Luiz Pessoa/ NE10

Julgamento dos "canibais" em Olinda

Isabel Cristina é esposa de Jorge Beltrão e também acusada
Crédito: Luiz Pessoa/ NE10

Julgamento dos "canibais" em Olinda

Bruna Cristina Oliveira da Silva completa o trio de acusados de canibalismo
Crédito: Luiz Pessoa/ NE10

Julgamento dos "canibais" em Olinda

Júri popular acontece no Fórum de Olinda
Crédito: Luiz Pessoa/ NE10

Julgamento dos "canibais" em Olinda

Jorge Beltrão Negromonte é um dos acusados
Crédito: Luiz Pessoa/ NE10

Julgamento dos "canibais" em Olinda

Isabel Cristina é esposa de Jorge Beltrão e também acusada
Crédito: Luiz Pessoa/ NE10

Julgamento dos "canibais" em Olinda

Bruna Cristina Oliveira da Silva completa o trio de acusados de canibalismo
Crédito: Luiz Pessoa/ NE10

Julgamento dos "canibais" em Olinda

Delegado que conduziu o inquérito Paulo Berenguer
Crédito: Luiz Pessoa/ NE10

Julgamento dos "canibais" em Olinda

Os acusados confessaram os crimes durante as investigações da Polícia
Crédito: Luiz Pessoa/ NE10

Julgamento dos "canibais" em Olinda

Após o assassinato de Jéssica, Bruna assumiu a identidade dela
Crédito: Luiz Pessoa/ NE10

Julgamento dos "canibais" em Olinda

O trio passou a criar a filha da vítima
Crédito: Luiz Pessoa/ NE10

 

 

PALAVRAS-CHAVE: notícias júri dos canibais

COMENTE ESTA MATÉRIA

Nome:
E-mail
Mensagem

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu. O NE10 reserva-se o direito de não publicar mensagens com palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa.

  • De: Roberto Macedo- 13/11/2014 19:30 É sempre assim, ninguém matou ninguém ninguém, a vítima que se matou e deixou uma gravação para comerem seus pedaços, e ela só obedeceu..

Vitrine NE10
Vitrine NE10
Fechar vídeo