Questão de pele

Tratamento com fios Silhouette para o rejuvenescimento

Publicado em 08/02/2017, às 17h35 | Atualizado em 08/02/2017, às 17h49

Por Cláudia Magalhães

Técnica pode auxiliar no tratamento do foto-rejuvenescimento da face e do pescoço / Foto: divulgação

Técnica pode auxiliar no tratamento do foto-rejuvenescimento da face e do pescoço Foto: divulgação

Você já conhece o fio de sustentação Silhouette, sua história, sua aplicação e seus benefícios? Então, venha saber mais um pouco sobre esta técnica que pode auxiliar muito no tratamento do foto-rejuvenescimento da face e do pescoço. 

O Fio Silhouette é uma tecnologia criada nos Estados Unidos em 2006 e chegou ao Brasil com a aprovação da ANVISA desde 2013. Ele traz como resultado positivo, um rosto redefinido com um procedimento relativamente rápido, realizado sempre em consultório médico. Com o Fio Silhouette, é possível corrigir marcas indesejadas provocadas pelo fotoenvelhecimento, de maneira que o tratamento é capaz de melhorar as rugas e vincos, bem como a flacidez da face e do pescoço, além de proporcionar a médio prazo, uma melhora da textura e da qualidade da pele nas áreas tratadas.

Recomendado para pessoas com idade acima dos 25 a 30 anos, o Fio Silhouette trata os sinais do envelhecimento.

Capaz de redefinir o formato da face e melhorar a textura da pele, o Fio Silhouette age através da incisão do ácido polilático em formato de fio, com os cones de ancoragem. O efeito regenerativo é gradual e progressivo: o ácido polilático (PLA), principal componente do Fio Silhouette, é um polímero conhecido há muitos anos na medicina (fios de sutura e vários tipos de pinos ortopédicos usados para as fraturas ósseas são feitos de PLA). Tais aplicações foram desenvolvidas porque este polímero é biocompatível com o nosso organismo, além de ser totalmente biodegradável. Após a aplicação do fio, o ácido polilático começa a agir nas camadas mais profundas da pele e ajuda a melhorar a estrutura das áreas flácidas, além de devolver gradualmente o contorno ao rosto e do pescoço, de uma forma perfeitamente natural. E mesmo considerando a degradação do PLA, algum efeito é preservado a médio prazo, devido a produção do colágeno que ocorre com o Fio Silhouette, ao contrário do que ocorria com os outros fios pré-existentes, tais como o fio russo, o fio búlgaro ou o fio de ouro.



O procedimento é ambulatorial, não precisa de ambiente hospitalar, mas anestesia local em alguns poucos pontos da face e do pescoço. Apesar de ser um procedimento simples, os resultados proporcionados são duradouros, chegando a permanecer por 18 a 24 meses, podendo ser repetido após este período.

O diferencial do Fio Silhouette é que ele possibilita um efeito de lifting (devido aos cones de ancoragem), assim como um efeito regenerativo cutâneo (devido à ação do PLA), de maneira simultânea. Portanto, a remodelagem do rosto é feita manualmente pelo médico - apresentando um resultado praticamente imediato, além de promover uma importante estimulação da produção do colágeno – proteína responsável pela elasticidade da nossa pele.

Recomendado para pessoas com idade acima dos 25 a 30 anos, o Fio Silhouette trata os sinais do envelhecimento, sem agredir a superfície da pele e de uma maneira bastante eficiente. A aplicação dos fios pode e deve ser realizada como terapia combinada, antes ou após a realização da toxina botulínica e/ou do ácido hialurônico.

Quem pode fazer 

Recomendamos que este procedimento seja realizado por um dermatologista capacitado, para que o Fio Silhouette seja colocado da maneira mais refinada possível, além de podermos combiná-lo com várias outras técnicas e tecnologias, a fim de que o paciente possa atingir os melhores resultados no seu tratamento anti-aging - eficiência com bastante naturalidade!

*As colunas assinadas não refletem, necessariamente, a opinião do NE10

PALAVRAS-CHAVE: questão de pele notícias

Questão de pele Cláudia Magalhães Com Registro de Qualificação de Especialista (RQE) nº 1951, é formada pela Unicamp, onde fez residência médica, é especialista em dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). É membro efetivo da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD) e Fellow da Sociedade Americana de Dermatologia (AAD) e da Sociedade Americana de Laser (ASMLS). Seu número de registro no Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) é o 11.769.. recepcao.claudiamagalhaes@gmail.com

Continue Lendo

COMENTE ESTA MATÉRIA

Nome:
E-mail
Mensagem

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu. O NE10 reserva-se o direito de não publicar mensagens com palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa.

Vitrine NE10
Vitrine NE10
Fechar vídeo